Logo

Como usar o digital para criar uma nova experiência de compra?

O boom digital vaticinou o fim do papel e do analógico, das cartas e das enciclopédias. Mas a crescente imersão do virtual nas nossas vidas não foi capaz de acabar com aquilo que há de mais humano… o que é físico e que podemos tocar, experimentar e viver.

Assim, muitos dos estudos sobre o tema apontam na mesma direção: a crescente digitalização do retalho físico é uma tendência cada vez mais clara para melhorar a experiência do consumidor.

Se a tecnologia tem a capacidade de nos fazer chegar tão longe, de dar visibilidade, de facilitar incrivelmente a comunicação e de conseguir reunir dados tão úteis é fundamental que nos perguntemos… estamos a usar as ferramentas digitais a favor dos nossos negócios?

É mais ou menos consensual que há passos básicos para começar: estar presente nas redes sociais tanto para comunicar diretamente com os seus clientes como para fazer crescer a notoriedade da sua marca, impulsionar as vendas e envolver os clientes; criar um site moderno, claro, com conteúdo interessante e de uso simples, bem como trabalhar o SEO dos seus sites; investir em publicidade online segmentada para impactar os seus clientes e potenciais clientes; se fizer sentido, criar uma loja online atualizada com os seus produtos e stocks; ou usar as ferramentas digitais para manter uma comunicação regular com os seus clientes através de Newsletters ou SMS.

No entanto, se a base do seu negócio está assente numa ou mais lojas físicas é importante que invista em torná-las cada vez mais Smart.

Torne o seu negócio físico mais moderno e digital

  • Como é que a Realidade Virtual e Aumentada podem ser uma mais-valia?

– Teste virtual de produtos

Já imaginou como seria ir a uma loja e poder experimentar roupa sem precisar de a vestir ou experimentar batons, vernizes e tons de cabelo antes de comprar através de um espelho virtual? Hoje em dia a realidade aumentada permite dar ao cliente uma experiência de compra que mistura o sensorial com o virtual. Também a Zara criou manequins virtuais que são QR CODES: ao ler os códigos em certos pontos na loja com a sua app consegue ver vários modelos virtuais com as roupas da marca.

– Menu virtual

Num cenário ideal poderia ver em pormenor o prato que vai comer antes de fazer o seu pedido num restaurante. Com a app Kabaq e o Apple AR Kit é possível ver os menus em vídeo 360º, de forma inacreditavelmente realista e com um nível de detalhe fora de série. Um vídeo destes, vale mesmo mais do que mil palavras.

  • Como é que pode tornar a sua loja mais digital?

– Pagar com o telemóvel ou o smartwatch

O mobile é o futuro dos pagamentos físicos. Além de dar uma imagem mais atual à sua loja, pagar com o telemóvel é simples e facilita muito a vida aos seus clientes (que passam a poder ir às compras muito mais leves). Por cá, o MB WAY é a app número 1 em pagamentos móveis e permite pagar fazendo a Leitura de um QR CODE no terminal, com o sistema contactless (NFC), encostando o telemóvel ao terminal de pagamento e através do número de telemóvel. Uma vez que também já pode instalar MB WAY em alguns smartwatches o mesmo sistema é válido usando apenas o seu relógio. Além do MB WAY, é possível pagar com o telemóvel através do ApplePay, do AndroidPay, da app do Paypal e outros. A segurança e simplicidade das operações fazem com que sejam cada vez mais procuradas pelos consumidores.

– Saber informações sobre os produtos através da app da marca

Ir às compras é um problema para muitos clientes. O grupo Alibaba, o gigante chinês do comércio online, criou o primeiro supermercado que melhor alia a compra física às vantagens de comprar online, o Hema. A palavra de ordem é “conveniência”. Todos os produtos têm uma etiqueta com QR CODE que, quando lido pela app do Hema, mostra informações detalhadas sobre o produto (país de origem, data de embalamento e outras informações) e o pagamento é feito com o telemóvel. Além da facilidade e transparência, o Hema aposta na personalização: Com base nas escolhas que o cliente vai fazendo a app vai recolhendo dados que, através da Inteligência Artificial, permitem melhorar o nível de conhecimento sobre o consumidor e ir sugerindo uma lista de recomendações com base no perfil de cada um.

– Marketing de proximidade na sua loja

Já ouviu falar em IBeacons? A Ikea Austrália usa esta tecnologia para notificar os clientes. Os IBeacons são transmissores que estão espalhados pela loja e emitem um sinal de Bluetooth que é recebido pelos smartphones a distâncias curtas. Assim, conseguem notificar os clientes sobre os diversos serviços e oportunidades da IKEA. Por exemplo, avisá-los de que há uma promoção em loja ou de que está na hora de almoço e podem fazer a sua refeição no restaurante.

Estes são apenas alguns exemplos das diversas possibilidades de fusão entre o offline e o online que podem criar uma melhor experiência de consumo – o campo de batalha de um futuro extremamente competitivo.

Ter elementos digitais em loja permite um conhecimento mais profundo do cliente, através do Big Data e da Inteligência Artificial, e as marcas conseguem criar uma cadeia de sugestão mais eficiente, com uma personalização mais apurada.

Desta forma, o consumidor é de tal forma envolvido que perde esta designação e passa a ser um verdadeiro co-produtor da marca, um dos princípios do retalho do futuro. O B2C transforma-se em C2B, porque passam a ser os clientes quem influencia as escolhas e o caminho de cada marca (na lógica constante do teste – captação de informação – melhoria).

O que importa ter em conta é: para o consumidor, o formato ideal não é exclusivamente o físico nem o digital, mas sim uma mistura dos dois: lojas online com uma experiência cada vez mais aproximada da realidade e lojas físicas melhoradas por elementos virtuais.

A direção para a qual estamos a caminhar vai-se descobrindo e prevendo passo a passo. Mas uma coisa é certa, o futuro é incrível e as possibilidades são tão infinitas como a criatividade humana.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO