Logo
Marta Fonseca
Marta Fonseca

Equipa BYD

Marta Fonseca

Project Manager

Se a BYD fosse um gordinho que não sabe nadar numa piscina funda, a Marta era as suas braçadeiras. É a nossa Project Manager mais responsável e se (ou quando) a BYD for por água abaixo, a Marta é das poucas que não merece ser arrastada connosco para o fundo.

Quando era mais nova queria ser médica para salvar vidas ou professora para ensinar. Hoje em dia salva-nos do desemprego e ensina-nos como se limpa o histórico das ordinarices que andámos a pesquisar. Aproveitámos a boa vontade e já agora explicou-nos o que é aquela coisa do Marketing Digital, mas ainda não percebemos bem.

É também responsável pela vertente da responsabilidade social da BYD: traz chocolates para todos dia sim, dia sim, pelo que 70% dos colaboradores da BYD são obesos e os outros 30% são só gordos (ainda). É com orgulho que os empregamos.

É maluca pela família e por crianças (como ela). Já viu todos os filmes de animação e está sempre a arrastar os sobrinhos para ir ao cinema ver o último filme da Disney. Em 3D. E pela terceira vez, que as primeiras duas não lhe chegaram. No intervalo faz birra para comprar mais pipocas e os seus sobrinhos passam uma vergonha.

Tirou o curso de Psicologia e fez o Mestrado em Psicologia Clínica. Dá consultas aos seus pacientes aos sábados e a nós sempre que alguém chora na casa de banho. Basicamente são todos os dias excepto o dia ao fim do mês em que recebemos.

Adora ir à praia, dançar e jantar com amigos. É sempre muito animada (demasiado para as 2as feiras) mas separa bem a sua vertente festivaleira da profissional e aqui no escritório o mais ousado que vimos fazer foi cantar um bocadinho de Adele enquanto trabalha. Já à noite estabelece um perímetro de segurança com um raio de 3 metros só para twerkar. “Good girls go to heaven. Bad girls go to BYD.”

Travessuras à parte, a verdade é que metemos as mãos no fogo pela Marta. Pelo menos achamos nós. É que a Marta inspira muita confiança e o que nos diz parece-nos sempre bem. Sabem aquela história de “se te dissessem para te atirares a um poço, também o fazias?”. Acreditem que se fosse a Marta a dizer, era certo. No outro dia contou-nos que era boa ideia aprender a ler a aura, mas ela ainda não o sabe fazer. Já nós chamámos alguém e lemos a dela. E sabem que mais? Estamos na boa.